segunda-feira, 29 de setembro de 2008

tempo de ir aos dióspiros

Dizem que são provenientes da China; talvez por isso, os dióspiros têm um sabor diferente, estranho até para muitos de nós. Mas lá que são saborosos e matam a sede, disso não há dúvida.
Talvez atacados por um qualquer bichinho da fruta, este ano apareceram com umas manchas escuras, o que quer dizer que se os bichos gostam deles é porque são mesmo bons.
Aos dióspiros dou-lhes o mesmo rumo que aos figos: atiro-me a eles antes que a passarada se antecipe.
E se a árvore cá do quintal deu menos este ano, compenso a escassez com um saltinho ao aido do vizinho Jó, que o dióspireiro dele está carregadinho.
Se repararem, os nossos quintais produzem pelo menos um tipo de fruta em cada estação do ano: as ameixas de verão já se foram, no princípio do Outono vieram os figos e com eles as uvas; agora são os dióspiros e não tarda voltaremos ao ciclo das laranjas.
As árvores que vamos preservando nos nossos quintais são a melhor defesa contra a globalização do mercado. Até quando?

2 comentários :

Alexandre Duarte disse...

Oh Oscar, quando fores lá ao quintal do meu pai, vê lá se deixas alguns para mim. Não é fruta que me leva a subir a Árvore, mas se estiver à minha frente marcha.

sergio micaelo ferreira disse...

Alex Dê. Antes levar os dióspiros (para escaparem às picadelas da mosca do mediterrâneo) do que levar rolas para uma munhaca, em que o Jó seria convidado, mas tinha de levar vinho e broa.
sérgio.m.f